Política

12 de maio de 2022

Deputado denuncia que há mais de 100 policiais das ruas e põe na Governadoria em outras funções

O deputado estadual Subtenente Eliabe Marques (Solidariedade) criticou o governo do Estado nesta quarta-feira (11) por requisitar policiais militares para trabalharem na Governadoria, desfalcando batalhões do Rio Grande do Norte. O parlamentar condenou o desvio de funções dos agentes de segurança e citou que há policiais trabalhando até como garçom em outras repartições públicas.

Em entrevista ao programa “12 em Ponto”, da 98 FM, Eliabe comentou que o 4º Batalhão da Polícia Militar, que cobre a Zona Norte, com cerca de 350 mil habitantes, tem apenas 240 policiais, enquanto só na Governadoria há, segundo ele, 100 agentes de segurança com desvio de função.

“O desvio de função nas corporações, seja Polícia Militar ou Polícia Civil, traz transtornos enormes à população. Quero até trazer um dado. Sabe onde tem mais policial cedido com desvio de função? Na Governadoria. O Gabinete Civil talvez tenha, proporcionalmente, mais policiais do que determinados batalhões. Por exemplo, o da Zona Norte. Com 353 mil habitantes, tem 240 policiais. Na Governadoria, tem mais de 100 policiais com desvio de função”, afirmou o deputado.

O parlamentar sugeriu que órgãos como Governadoria, Assembleia Legislativa e Ministério Público só requisitem policiais que já estejam na reserva remunerada. Esse projeto, segundo ele, começou na gestão do coronel Francisco Canindé de Araújo quando era comandante da Polícia Militar, mas não teve continuidade. Hoje, Araújo é secretário estadual de Segurança Pública e Defesa Social.

“A Assembleia Legislativa tem uma situação bem interessante. A maioria dos policiais é da reserva. Se quer ter policiais preparados, convoque o pessoal da reserva para fazer esse serviço. Não tira das ruas. Tem policiais altamente experientes em segurança pública, que fizeram curso no exterior, mas que estão no Ministério Público, no TJ…”, afirmou.

Ainda segundo Subtenente Eliabe, há policiais cedidos que estão exercendo até a função de garçom. “Um absurdo”, finalizou.

Veja trecho da entrevista com o deputado no vídeo acima.

Com informações da 98 FM