BLOG - Arquivo SA

postado às 08h45 | 30 de março de 2022

Valor da cerveja brasileira será impactado pela guerra

O preço da cerveja no Brasil sofrerá impactos devido à guerra no Leste Europeu. O comércio de ingredientes da bebida será abalado diretamente pelo conflito, uma vez que Rússia e Ucrânia são responsáveis por 28% das exportações globais da cevada e o país de Vladimir Putin é o terceiro maior fornecedor de malte ao mercado nacional.

Em 2021, o Brasil importou US$ 64 milhões de malte da Rússia, o que consolidou o país russo como um dos principais exportadores do produto para o mercado brasileiro – que é dependente de importações de produtos ligados ao mercado cervejeiro, assim como o de fertilizantes.

Grande parte da cevada e do malte utilizados na indústria cervejeira brasileira é importada da Argentina e do Uruguai. Contudo, a diminuição de fornecedores desses ingredientes irá aumentar a procura por outros produtores para suprir o mercado, elevando os preços em todo o mundo.

Segundo a Anheuser-Busch InBev, responsável pela Ambev, a empresa contará com uma proteção financeira de 12 meses contra variação cambial, tentando não repassar os custos para os consumidores. Além disso, a companhia promete controlar o preço dos commodities utilizados na produção da cerveja.

De acordo com a empresa de pesquisa de mercado Kantar, consumidores têm trocado marcas mais famosas, como Heineken, Stella Artois e Eisenbahn, por outras mais acessíveis e populares.

Segundo a Ambev, o hectolitro (100 litros) aumentou 17,4% em 2021, a estimativa para este ano era de 16% a 19%. Contudo, o cálculo foi realizado antes da invasão russa.

Conforme estudo divulgado, em 2021, pela plataforma de descontos CupomValido, o Brasil é o terceiro maior consumidor de cerveja no mundo, atrás somente da China e dos Estados Unidos.

Metrópoles



postado às 08h45 | 30 de março de 2022

Dia da Visibilidade Trans terá mutirão nesta quarta e quinta (30 e 31)

O Dia Mundial da Visibilidade Trans (31 de março) será celebrado no Rio Grande do Norte com um mutirão para retificação de nome e gênero em registros civis. A ação será promovida pela Defensoria Pública do Estado do Rio Grande do Norte (DPE/RN), com apoio da Secretaria Estadual das Mulheres, da Juventude, Igualdade Racial e dos Direitos Humanos (Semjidh), nesta quarta e quinta-feira (30 e 31), das 8h às 14h, respectivamente em Parnamirim e Natal.

O mutirão tem como objetivo promover uma união de esforços para garantir a retificação de registro civil para pessoas trans que buscam ajustar em seus documentos oficiais o seu gênero, incluindo a troca do prenome. Durante a ação, a Ouvidoria Geral de Direitos Humanos da Semijdh também irá realizar atendimentos. Com a retificação do registro civil, todos os documentos oficiais (RG, CPF e Certidões) passarão a constar com o nome escolhido. No entanto, a mudança permite que seja alterado apenas o prenome, os sobrenomes a serem usados devem seguir a origem de nascimento.

A retificação do registro civil para pessoas trans passou a ser feita 100% de forma extrajudicial em março de 2018, quando o Supremo Tribunal Federal reconheceu a importância de retirar a obrigatoriedade da cirurgia e a solicitação judicial para a retificação do nome. Agora, basta ir até o cartório, se autoidentificar uma pessoa trans e alterar o nome e o gênero. No entanto, o caminho extrajudicial possui a cobrança de taxas cartorárias que nem sempre podem ser arcadas por uma pessoa hipossuficiente. Nesses casos, a Defensoria Pública se torna um caminho para solicitar e requerer a retificação com um menor custo.

O atendimento no mutirão será porta aberta, sendo dispensado o agendamento prévio. Os interessados devem levar certidão de nascimento atualizada, certidão de casamento atualizada, se a pessoa for ou tiver sido casada, Cópia do RG e CPF; cópia de carteira de identidade social, se tiver, cópia do passaporte brasileiro, se tiver; cópia do título de eleitor, comprovante de endereço atualizado e comprovante de renda.

O provimento do CNJ que regula a retificação do registro solicita ainda que a pessoa apresente uma série de certidões: distribuição Cíveis e Criminais da Justiça Federal, distribuição Cíveis e Criminais da Justiça Estadual, certidões de execução criminal da Justiça Estadual, certidão de quitação da Justiça Eleitoral, certidão de ações trabalhistas e certidões da Justiça Militar.

SERVIÇO

MUTIRÃO PARA RETIFICAÇÃO DE REGISTRO CIVIL “NOME E GÊNERO”
DATA: 30 DE MARÇO DE 2022

LOCAL: NÚCLEO DA DEFENSORIA EM PARNAMIRIM – AV. PILOTO PEREIRA TIM, 1129, PARQUE DE EXPOSIÇÕES

HORÁRIO: 8H ÀS 14H

DATA: 31 DE MARÇO DE 2022

LOCAL: NÚCLEO DE PRIMEIRO ATENDIMENTO CÍVEL DE NATAL – AV. SENADOR SALGADO, 2868B, LAGOA NOVA

HORÁRIO: 8H ÀS 14H

MAIS INFORMAÇÕES: defensoriapublica@dpe.rn.def.br

 



postado às 08h45 | 30 de março de 2022

Tuberculose: médico explica os sintomas, o diagnóstico e como se prevenir

Uma doença infectocontagiosa que entra no organismo por meio das vias aéreas superiores. Assim é a tuberculose. Quando não tratada pode deixar sequelas ao paciente. Os ambientes fechados, sem ventilação, são propícios à proliferação das bactérias dessa enfermidade que são transmitidas de forma direta, de pessoa a pessoa. ''O Mycobacterium tuberculosis, popularmente conhecido como bacilo de Koch (BK), entra no organismo e se aloja no pulmão ou em outras partes do corpo, caracterizando a enfermidade'', explica o infectologista do Sistema Hapvida, Igor Thiago Queiroz. 

Tosse seca e com sangue, dor no peito ao tossir e dificuldades para respirar são os principais sintomas. Alguns pacientes não exibem nenhum indício da patologia, outros apresentam indícios aparentemente simples que são ignorados durante alguns anos. ''É necessário evitar o contato com os doentes e tratar efetivamente os acometidos para que eles não transmitam aos demais'', ressalta o especialista. Segundo Queiroz, quando a bactéria desenvolve-se em outros órgãos, é possível que surjam cansaço excessivo, suor noturno, febre e inchaço no local em que a bactéria está instalada.  

O quadro clínico pode deixar sequelas irreversíveis e, por isso, o tratamento não pode ser abandonado. ''A intervenção, geralmente, à base de antibióticos tem duração de seis meses e é 100% eficaz, mas não pode haver abandono nem irregularidade'', enfatiza o médico. A principal maneira de prevenir é com a vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin). O imunizante deve ser dado às crianças ao nascer, ou, no máximo, até 04 anos, 11 meses e 29 dias de idade e protege contra as formas mais graves da doença, como a tuberculose miliar e a meníngea.



postado às 08h45 | 30 de março de 2022

Tubos percussivos: uma nova metodologia de aprendizagem infantil sobre as notas

Compreender as diferentes características das notas musicais pode parecer uma atividade complexa para as crianças de 9 e 10 anos de idade. Para tornar essa aprendizagem sobre as melodias mais dinâmica e divertida, o professor de música do Colégio das Neves, Wendell Praxedes, em Natal, realiza uma aula com instrumentos alternativos chamados tubos percussivos, nas turmas de 4º e 5º anos do Ensino Fundamental.

Os tubos percussivos são instrumentos feitos a partir de um plástico resistente colorido e são usados para ajudar as crianças a aprenderem sobre ritmo, melodia, sonoridade e outras noções musicais. "Com o uso desse instrumento alternativo, é possível realizar diversas maneiras de reproduzir melodias de forma coletiva e performática, além de contribuir para uma melhor compreensão das notas musicais, de forma dinâmica e criativa", afirma Wendell.

Na atividade, cada estudante fica com um tubo de uma cor corresponde a uma nota musical e ao comando do professor, os alunos tocam a melodia estudada em aulas anteriores. Dessa forma, as crianças entendem e diferenciam os sons de cada nota. Após distinguirem as diferentes características de uma melodia, as turmas concretizam os conceitos estudados em sala de aula, tocando com os tubos percussivos a primeira estrofe da tradicional música "Asa Branca", do cantor e compositor Luís Gonzaga.

O uso dessa metodologia promove inúmeros aprendizados ao estudante. "Por meio dela, a criança experimenta as diferentes possibilidades de executar melodias, desperta a percepção auditiva, participa de uma performance musical coletiva, desenvolve a concentração e atenção, além de trabalhar as suas habilidades sensorial, motora, social e criativa", comenta o educador musical.

Criatividade nas aulas de música

Desde os primeiros níveis de ensino, as crianças têm aulas de musicalização no Colégio das Neves. O objetivo é que as percepções sonoras sejam ativadas nos estudantes desde pequenos, contribuindo para o seu desenvolvimento psicomotor. "As aulas de música, quando realizadas de forma inovadora, proporcionam aos alunos o desenvolvimento de diferentes aspectos relacionados à concentração, à criatividade e ao uso da imaginação", conclui o professor Wendel.



postado às 08h15 | 25 de março de 2022

Governadora inaugura equipamentos no Seridó nesta sexta-feira (25)

A governadora Fátima Bezerra cumpre agenda nesta sexta-feira (25) nos municípios de São João do Sabugi, Caicó e Jardim do Seridó. Pela manhã o Governo do Rio Grande do Norte inaugura a sede da Cooperativa Mista dos Agricultores Familiares de São João do Sabugi (COAFS), que vai beneficiar diretamente dezenas de famílias de 10 municípios da região.

Pela tarde, em Caicó, está prevista a visita da governadora ao Hospital Regional. Em seguida, a chefe do Executivo estadual inaugura a Casa do Artesão, onde também faz a entrega de microcrédito para empreendedores de diversos segmentos, incluindo a agricultura familiar. 

A agenda será encerrada em Jardim do Seridó, com visita ao sistema de abastecimento d’água no Sítio Buriti, e participação da homenagem ao ex-prefeito Manoel Paulino do Santos Filho (in memoriam), que receberá um busto na praça que recebe o nome do político.

SERVIÇO

O QUE: Agenda na região do Seridó

QUANDO: sexta-feira (25/03), a partir das 10h
ONDE:

São João do Sabugi

10h Inauguração da sede da Cooperativa da Agricultura Familiar

 Caicó

14h – Visita ao Hospital Regional de Caicó

14h30 – Inauguração da Casa do Artesão

15h20 – Entrega de microcrédito do empreendedor
 

Jardim do Seridó

16h – Visita ao sistema de Abastecimento d’água na zona rural de Jardim do Seridó

19h – Homenagem ao ex-prefeito Manoel Paulino dos Santos Filho



postado às 08h15 | 25 de março de 2022

MPF obtém condenação de fiscal do Ibama que matou agricultor no RN

O Ministério Público Federal (MPF) obteve a condenação do fiscal do Ibama Severino Gomes Marinho pela morte de Emanoel Gesian Barbosa, conhecido como “Neguinho”, de 21 anos, no dia 22 de maio de 2009. O crime ocorreu durante uma ação contra caçadores de arribaçãs (aves semelhantes a pombos silvestres), na zona rural de Jandaíra, município a 120 km de Natal.

Além de homicídio, o réu foi condenado por porte ilegal de arma e recebeu uma pena total de nove anos e 15 dias, em regime inicialmente fechado. O julgamento teve início na quarta-feira (23) e se encerrou na noite desta quinta-feira (24), na 2ª Vara Federal do RN, na capital potiguar.

Crime - Severino Gomes participava de uma missão de fiscalização nos municípios de Jandaíra, Lajes e Pedro Avelino, em maio daquele ano, com a finalidade coibir a caça ilegal de arribaçãs em área de postura. A equipe da qual fazia parte o réu era formada por quatro servidores do Ibama e três mateiros - especialistas em andar na região.

Dos sete, apenas dois estavam armados, um dos outros fiscais (que possuía a devida autorização do Ibama) e Severino Gomes, que mesmo sem autorização e sem porte de armas, carregava um revólver calibre 38, que pertencera a seu falecido seu pai.

O procurador da República Fernando Rocha, que representou o MPF no juri, destacou que a orientação do chefe da equipe de fiscalização era não só de todos participantes evitarem quaisquer disparos, mas também de “não agir com emoção e não correr atrás dos caçadores”. Para o membro do Ministério Público, ao disparar a arma em direção à vítima, o réu assumiu o risco de causar a morte da vítima, o que caracterizou o chamado dolo eventual. “Enfim foi feita justiça à memória da vítima e à família, depois de 13 anos do crime”, defendeu o procurador.

Tiro – No dia do assassinato, os fiscais se dirigiram às proximidades do assentamento Boa Vista para realizar a operação. Adotaram a estratégia de aguardar os caçadores na área de postura das arribaçãs (local de reprodução), permanecendo escondidos em meio ao mato, posicionados para surpreender os possíveis infratores.

Já por volta das 21h, eles observaram a chegada dos caçadores (aproximadamente oito), que carregavam apenas lanternas e porretes para abater as aves. Ao se aproximarem, os fiscais gritaram “fiscalização do Ibama, não corram” e, em meio ao alvoroço, foi ouvido um primeiro disparo. Ao ouvir esse tiro, o outro fiscal que portava arma também disparou uma bala, mas para o chão, como forma de alerta.

Severino Gomes alegou que havia atirado para o alto, contudo o procurador Fernando Rocha destacou que a trajetória da bala tornava impossível que um projétil disparado para o alto tivesse atingido Emanoel Gesian. O tiro atingiu a aorta da vítima, que faleceu rapidamente, antes de haver tempo para o socorro.

Atos - “As pessoas boas também praticam maldade e fazem coisas erradas”, enfatizou Fernando Rocha, complementando: “As pessoas que vieram aqui disseram que ele (o réu) é uma pessoa boa, mas o certo é que no dia ele fez uma coisa errada, a coisa mais errada, tirar a vida de alguém”.

O representante do MPF ressaltou que a Justiça julga o ato e não a pessoa e, “quando o réu, utilizando uma arma de calibre 38, atira, no escuro, no meio da mata, em direção dos caçadores, não tem controle da situação e assume o risco concreto de causar a morte de qualquer um deles, como de fato aconteceu”.

Para ter direito a portar uma arma durante a operação, o fiscal teria de passar por avaliação psicológica e realizar um curso de capacitação técnica. Nenhuma das duas coisas ocorreu com Severino Gomes, que durante o interrogatório se declarou inclusive um “mal atirador”. Na missão enviada a Jandaíra, apenas dois dos agentes do Ibama estavam autorizados a portar armas.



AUTOR

Saul Amorim