Saúde e Afins

Postado às 08h00 | 11 março 2020 |

De onde vem a prática vegana?

Diariamente somos bombardeados com diversas informações a respeito dos cuidados que devemos ter com a nossa alimentação. Para evitar os problemas de saúde provocados por uma alimentação inadequada, milhares de pessoas se tornaram adeptas ao veganismo.

Mas você sabe qual é a origem da prática vegana? A MetLife preparou esse artigo que vai responder a essa pergunta e mostrar as principais vantagens de adotar uma alimentação vegana.

O que é veganismo?

Na dieta vegana não é consumido nada que seja de origem animal como carnes, laticínios, ovos e até mel. Além disso, os veganos não usam nenhuma roupa cuja matéria-prima seja de origem animal, como o couro, por exemplo. A alimentação vegana está conquistando um número maior de adeptos em todo o mundo, por ser uma dieta extremamente saudável e sem nenhum tipo de gordura animal, que faz mal para nossa saúde.

Como surgiu a dieta vegana?

Por volta de 1944, foi criada a Sociedade Vegana foi criada pelo britânico Donald Watson e, desde então, transformou-se em um movimento político, ético e de estilo de vida. Mas em 1949, Leslie J. Cross,  acreditava que toda a sociedade precisava dar atenção especial para os direitos dos animais.

Por isso, na dieta vegana, foi proposto o fim do uso de animais para alimentação humana,  produção de mercadorias, trabalho ou caça. Ou seja, o princípio da prática vegana é não ter nenhuma relação com nada que seja de origem animal. O veganismo acabou tendo uma boa reputação dentro da sociedade que preza por boa saúde e está cada vez mais popular.

O veganismo não se restringe somente aos vegetais

Muita gente acredita que as pessoas que adotaram a prática vegana tem uma alimentação somente baseada nos vegetais, o que não é verdade. Pode até não parecer, mas o veganismo oferece diversas opções saudáveis, baratas e, principalmente, saborosas em seu cardápio.

Se você está pensando que um prato assado no veganismo é impossível, está completamente enganado. Existem alimentos de origem vegetal que podem substituir os ovos, a carne, a manteiga e até o leite, além de serem muito mais nutritivos para o organismo. O assado vegano, além de ser uma delícia, é liberado para pessoas que têm intolerância à lactose ou alergia ao ovo, por exemplo.

Sua saúde agradece

Segundo uma recente pesquisa norte americana, cerca de 90% dos adeptos ao veganismo estão dentro do peso ideal, não têm pressão alta, diabetes e elevados índices de colesterol. Além disso, eles apresentaram bem menos chances de ter câncer de intestino, câncer de próstata, doenças do coração e renais. Mais saúde, disposição e bem-estar no dia a dia!

Não é a toa que, cada vez mais, o veganismo está trazendo mais e mais pessoas para seu seleto grupo.

Postado às 08h00 | 11 março 2020 |

Coronavírus: saiba quando ir a uma unidade hospitalar

Com a chegada do Covid-19 no Brasil, vários estados já estão monitorando os pacientes com casos suspeitos e, por outro lado, a população também já está em alerta. Ainda não há remédios ou vacinas para o tratamento da doença e o mais indicado é adotar procedimentos de segurança e prevenção.

O coronavírus pertence a família de vírus chamada de Coronaviridae e tem causado doença respiratória. Esta família de vírus causa e resfriados e até infecções de maior risco à saúde humana e, este novo coronavírus, traz sintomas como coriza, tosse, dor de garganta, possivelmente dor de cabeça e a febre, que pode durar alguns dias.

Com o surto da doença na China, onde se concentram os maiores números de casos, algumas características estão sendo observadas por pesquisadores e especialistas. Luciana Duarte, infectologista do Grupo América, que faz parte do Sistema Hapvida, exemplifica que a maioria dos indivíduos que adoecem, evoluem com doença branda, semelhantes a um resfriado e se recuperam espontaneamente, apenas com medidas básicas de suporte, como hidratação e sintomáticos.

“Todavia, uma parcela dos indivíduos pode evoluir com doença grave, apresentando insuficiência respiratória (falta de ar) e óbito. Os números ainda estão em estudo, mas o que esses têm demonstrado e, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), é que cerca de 20% das pessoas podem evoluir com doença grave e a letalidade ficaria em torno de 2-3%”, explica Luciana Duarte.

Atendimento médico

Silvia Fonseca, infectologista do Grupo São Francisco, que faz parte do Sistema Hapvida, afirma que primeiramente é preciso observar a gravidade dos sintomas. “Coriza, tosse, dor de garganta, dor de cabeça e febre baixa são sintomas que podem ser tratados em casa, essas pessoas não devem sair para evitar o contágio. No caso de sintomas mais fortes, como falta de ar, febre alta, tontura, desidratação e vômitos, essas pessoas devem procurar atendimento médico independente se tiveram contato com pessoas contaminadas”.

A infectologista ressalta que esse novo vírus traz mais danos às pessoas que já apresentam alguma doença ou em idosos. Nos outros casos, a doença é mais leve, e, para prevenir, são necessários os cuidados básicos, como higienizar bem as mãos, uso do álcool em gel, e reservar as máscaras apenas para pessoas com doenças respiratórias, principalmente em ambientes de aglomeração.

É importante reforçar que ir a uma emergência hospitalar sem estar com caso grave, o paciente pode correr o risco de adquirir outras infecções. Além disso, vale destacar a consciência de não disseminar a doença e de seguir as recomendações médicas e do Ministério da Saúde para evitar novas contaminações. Divulgar informações corretas evita alardes desnecessários para a população e as fakenews.

Prevenção

A infectologista Luciana Duarte diz que “os cuidados de prevenção de doenças infectocontagiosas devem sempre fazer parte do dia a dia de qualquer indivíduo, em qualquer época. Atualmente, com os casos registrados do coronavírus, algumas medidas têm sido reforçadas e se estendem à prevenção de qualquer infecção que tenha como formas de contágio as vias respiratória, fecal-oral e contato”. Abaixo, Luciana Duarte dá algumas dicas de prevenção que todos podem adotar:

• Evitar contato próximo com pessoas que sofrem de infecções respiratórias agudas;
• Realizar lavagem frequente das mãos, especialmente após contato direto com pessoas doentes ou com o meio ambiente;
• Utilizar lenço descartável para higiene nasal;
• Cobrir nariz e boca quando espirrar ou tossir;
• Evitar tocar mucosas de olhos, nariz e boca;
• Higienizar as mãos após tossir ou espirrar;
• Não compartilhar objetos de uso pessoal, como talheres, pratos, copos ou garrafas;
• Manter os ambientes bem ventilados;
• Evitar contato próximo a pessoas que apresentem sinais ou sintomas da doença;
• Evitar contato próximo com animais selvagens e animais doentes em fazendas ou criações.

 

Postado às 07h45 | 04 março 2020 |

Como aliviar dor de dente até chegar na emergência odontológica?

Se você está sofrendo com dores nos dentes, precisa identificar quais são as causas desse problema e tratá-las o mais rápido possível. Na maioria das vezes, as dores nos dentes são causadas por cáries, traumas dentários ou outros problemas ocasionados por uma higiene bucal precária. Mas como aliviar dor dente até receber um atendimento odontológico emergencial? Fique ligado nas dicas que a MetLife preparou para você. 

Como aliviar dor de dente: bolsa de gelo

Se você está querendo saber como aliviar dor de dente, uma bolsa de gelo pode ajudar a amenizar o incômodo até a chegada no atendimento de emergência em uma clínica. Cubra a bolsa de gelo com uma toalha limpa e coloque-a no rosto próximo à região dolorida. 

O processo deve ser feito por 20 minutos ou pelo tempo que você suportar. O gelo é um potente anestésico e alivia dores em geral, principalmente as de dentes. Deixe a bolsa de gelo no rosto até você chegar na emergência odontológica.  

Como aliviar dor de dente: bochechos com água com sal

Essa também é outra boa dica sobre como aliviar dor de dente. Fazer bochechos com água morna e sal é uma das principais dicas para amenizar esse problema, que tanto incomoda. Essa solução auxilia na realização de uma boa higiene bucal e elimina os agentes causadores da dor. 

Pegue 1 litro de água morna e dilua 2 colheres de sopa de sal, misturando bem até o produto se dissolver por completo. Depois, faça bochechos constantes até a solução acabar, tenho o cuidado para não engolir o líquido, expelindo-o em seguida. 

Analgésicos também aliviam a dor de dente 

Caso você ainda esteja na dúvida sobre como aliviar dor de dente até a chegada na emergência odontológica, o uso de analgésicos ou anti-inflamatórios podem servir de paliativo até receber atendimento adequado. Fique atento para não exagerar na dosagem só porque a dor de dente está insuportável.

Tenha o cuidado de ler a bula antes de fazer uso desse tipo de medicação, por causa dos efeitos colaterais, que podem ser um pouco desagradáveis. Fique atento quando for administrá-los em crianças e só faça isso com indicação médica, pois pode ser prejudicial para a saúde dos pequenos. 

Postado às 07h45 | 04 março 2020 |

HPV pode causar câncer de colo do útero, afirma especialista

A infecção pelo HPV (sigla em inglês para Papilomavírus Humano) não apresenta sintomas na maioria das pessoas. Em alguns quadros clínicos, o HPV pode ficar por meses sem manifestar sintomas visíveis. O vírus que infecta a pele ou mucosas (oral, genital ou anal), tanto de homens quanto de mulheres, pode provocar câncer.

‘‘ Sabemos que 70% dos canceres de colo de útero são provocados ainda pelo HPV. Existe uma relação direta entre eles. Geralmente depois da infecção primária tem o período da encubação que dura mais ou menos de 2 a 6 meses até surgir os primeiros sintomas’’, informa o infectologista do Hapvida Saúde, Dr Igor Thiago.

As manifestações costumam se apresentar como verrugas na região genital e no ânus. O diagnóstico do HPV é atualmente realizado por meio de exames clínicos e laboratoriais, dependendo do tipo de lesão. ‘‘Podem ser feitos o exame clínico urológico (pênis), ginecológico (vulva/vagina/colo uterino) e dermatológico (pele). O exame preventivo Papanicolaou (citopatologia), colposcopia, peniscopia e anuscopia, e também por meio de biopsias’’, enfatiza o especialista.

A medida mais eficaz para prevenção contra a infeção é a vacina distribuída gratuitamente pelo SUS, sendo indicada para meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. ‘‘Em alguns casos, as lesões desaparecem espontaneamente, mesmo assim, o vírus continua. Por isso, é essencial realizar tratamento e consulta médica para que evitar reaparecer’’, explica Dr Igor Thiago.

De acordo com o médico do Hapvida Saúde, a transmissão do vírus se dá por contato direto com a pele ou mucosa infectada. ‘‘A principal forma é pela via sexual, por isso o tratamento é individualizado e envolve soluções químicas, cirúrgicas e estimuladoras da imunidade’’, finaliza.

Postado às 08h30 | 19 fevereiro 2020 |

O perigo das dietas de internet

Com o verão dando o ar da graça em terras brasileiras, milhares de pessoas fazem de tudo para ficar com o corpo sarado em pouco tempo. O problema é que grande parte delas recorrem à internet em busca de uma solução rápida para perder peso, o que não é recomendado.

As dietas malucas da internet pouco resolvem e ainda podem provocar o temido efeito sanfona, além de deixar o corpo com carência de vitaminas. Conheça os perigos dessas dietas e saiba porque elas não devem ser seguidas.

Dietas da internet até emagrecem, mas não de forma saudável

As dietas mirabolantes da internet até emagrecem, pois existe uma drástica redução no consumo de certos alimentos que provocam o aumento de peso.

Mas em contrapartida, acontece o emagrecimento rápido e de forma abrupta, que não faz bem para o organismo. Vale frisar que o processo de perda de peso deve ser sempre gradativo. Perder 10 quilos em poucos dias não é saudável.

Provocam efeito sanfona

E é por causarem um rápido emagrecimento, que as dietas da internet devem ser evitadas. De nada adianta perder vários quilos em 5 dias, por exemplo, mas ganhar o dobro de peso se interromper a dieta.

Esse processo é chamado de efeito sanfona: se a pessoa parar com a dieta, na maioria das vezes, ganha o dobro do peso que perdeu. Essa é uma das principais desvantagens dessas dietas malucas.

A maioria não é prescrita por nutricionistas

Grande parte das dietas de internet são inventadas por pessoas que não têm nenhuma ligação com a área da saúde e não são confiáveis. Somente um nutricionista, depois de uma avaliação clínica do paciente, é quem pode prescrever uma dieta saudável baseada em suas necessidades nutricionais diárias e no seu estado de saúde.

Por isso, antes de aderir a uma nova dieta que você viu na internet, procure saber se a fonte é confiável.

Ausência de vitaminas e nutrientes importantes

As dietas de internet, com o passar do tempo, podem deixar seu organismo com uma deficiência de várias vitaminas, nutrientes e minerais necessários para o bom funcionamento dele. Isso é um grande risco para sua saúde.

Por isso, desconfie de dietas altamente restritivas de determinados alimentos, pois elas não são o que parecem e podem prejudicar sua saúde, além de não causarem o efeito esperado.

Acompanhamento nutricional é necessário

Para realmente emagrecer de forma saudável, é necessário fazer um acompanhamento nutricional para que todo processo transcorra da melhor forma.

O profissional da área da saúde, depois de prescrever uma dieta balanceada e exclusiva para você, vai acompanhar todo o seu progresso. Além disso, com um bom acompanhamento clínico, é possível saber se a perda de peso está acontecendo de forma gradativa e sem consequências negativas para o organismo.

Se você quer emagrecer com saúde, passe bem longe das dietas de internet.

Postado às 08h00 | 19 fevereiro 2020 |

Horas de sono: vamos resumir o que aprendemos até aqui?

Não podemos negar que ter uma boa noite de sono relaxante é uma delícia, além de fazer muito bem para nossa saúde física e mental. O sono é necessário para nos garantir mais disposição para trabalhar, estudar ou fazer exercícios.

Mas a grande questão para muitas pessoas é: qual é quantidade ideal de horas de sono por noite? Veja o que a MetLife abordou sobre esse polêmico assunto e tire suas dúvidas a respeito.

Não existe um número ideal de horas de sono

Primeiramente, você deve levar em consideração que cada indivíduo tem um metabolismo diferente e necessita de uma determinada quantidade de sono. Por isso, existem pessoas que precisam de dormir 8 ou 9 horas por noite para se sentirem totalmente descansadas.

Em contrapartida, existem indivíduos que dormem 6 horas por noite e se sentem da mesma maneira. Não é raro ver pessoas que dormem apenas 4 horas por noite e são extremamente saudáveis e bem dispostos. Dessa forma, a quantidade ideal de horas de sono varia de pessoa para pessoa.

A média é 7 horas de sono por noite

Segundo especialistas, para o corpo e a mente ficarem bem descansados para mais um dia de atividades, estabeleceu-se a média de 7 horas de sono por noite. Mas não se desespere se você dorme menos ou mais do que isso.

Vale ressaltar que esse número não é regra e é apenas uma média que foi resultante de anos de pesquisas e experiências com o sono humano. Não há nada de errado se você dorme 9 horas ou se com 6 horas de sono já está novo em folha.

O mais importante é não sentir sono durante o dia

O principal sinal de que você está dormindo pouco é observar como você se sente durante o dia. Se estiver bocejando a cada 5 minutos, pode ser que você tenha dormido uma quantidade insuficiente de horas.

Agora se você estiver se sentindo bem e, principalmente, sem sono, fique tranquilo que você dormiu o suficiente. Em suma, mais importante do que uma quantidade exata de horas de sono, é como você se sente durante o dia. Letargia constante no trabalho ou na faculdade e um típico sinal de que você precisa de um tempo maior de sono.

A qualidade do seu sono é que prevalece

De nada adianta ficar na cama por 8 ou 9 horas se você acorda várias vezes durante a noite ou tem um sono agitado. Um sono fragmentado ou inquieto não traz o descanso necessário para o corpo e para a mente. Por isso, a qualidade do seu sono é quem dita a regras.

É preferível 6 horas de sono ininterruptas, de qualidade e relaxantes, do que passar um tempo muito maior na cama e ainda levantar com sono. Preze por ter um sono com mais qualidade do que quantidade de horas. Nesse caso, os números nem sempre dizem muita coisa!

Dessa forma, procure dormir o suficiente para você se sentir bem disposto no dia seguinte, sem preocupar com o número de horas.

​ ​